Preparado para opinar sobre qualquer assunto teológico ou bíblico? Independente da visão! Cadastre-se , pois aqui nínguem será excluído!

Já está a venda o livro Manual de Exegese do Antigo Testamento, uma crítica em Ezequiel 28. Adquira já! mande um email para prof.fabiosabino@yahoo.com.br
Mande uma email para prof.fabiosabino@yahoo.com.br e adquira já!

Galeria


Navegação

Votação

Estatísticas

Os nossos membros postaram um total de 132 mensagens em 60 assuntos

Temos 116 usuários registrados

O último usuário registrado atende pelo nome de Adelson

Conectar-se

Esqueci minha senha


    Sobre a Dignidade do homem

    Compartilhe
    avatar
    Ronaldo
    Taifeiro 2ª Classe
    Taifeiro 2ª Classe

    Mensagens : 6
    Pontos : 16
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 08/04/2011
    Idade : 40
    Localização : São Paulo

    Sobre a Dignidade do homem

    Mensagem  Ronaldo em Qua 1 Jun - 12:13

    O homem é justamente dito e considerado um grande milagre e um animal deveras maravilhoso. O sumo Pai e Arquiteto Deus já fabricado, segundo leis de arcana sabedoria, essa casa mundana da divindade, esse templo augustíssimo que nós vemos. Já havia guarnecido a região supraceleste de inteligências, havia infundido de almas eternas os globos etéreos, havia povoado com uma grande multidão de animais de todas as especies as partes cheias de excremento e de refúgos do mundo inferior.

    Mas, completado o trabalho, o artífice desejava que houvesse alguém capaz de entender o motivo de uma obra tão grande, de apreciar a sua beleza, de admirar a sua grandeza. Por isso, depois de fazer todas as coisas (como atestam Moises e Timeu), pensou por último em criar o homem. Mas entre os arquétipos não havia com que formar a nova progênie humana; nem entre os tesouros, algo que pudesse ser deixado como herança ao novo filho; nem onde pudesse colocar esse comtemplador do universo, entre todos os lugares do mundo inteiro. Tudo já estava ocupado:
    tudo havia sido distribuido às ordens supremas, médias, ínfimas...

    Por isso, o maravilho Autor decidiu finalmente que, para aquele que nada poderia receber que lhe fosse próprio, daria o que fosse comum, o que havia sido dadoparticularmente aos outros. Tomou assim o homem, obra de figura indistinta, e, colocando-o no meio do mundo, assim, lhe falou: "Ó Adão, não te demos nem um lugar determinado, nem um aspecto proprio, aqueles dons que tenhas conscientemente ansiado, segundo o teu deejo e segundo o teu sentimento. A natureza dos outros viventes, já definida, esta tolhida pelas leis por nós prescritas: Tu, não limitado por nenhuma constrição, poderás, segundo o teu arbítrio, a cujo poder eu te confiei, definir a tua natureza..."

    "Nos não te fizemos nem celeste nem terreno, nem mortal nem imortal, para que tu, quase árbitro e honorário plasmador e fundador de ti mesmo, possas encontrar a forma que preferires. Poderás degenerar até horrendos graus inferiores; poderas regenerar-te nos divinos graus superiores,segundo decisão do teu ânimo..."

    Ao homem que nascia, o Pai deu as diversas sementes de toda especie de vida. Segundo forem por ele cultivadas, lançarão raízes e produzirão nele os proprios frutos: se aquelas sementes forem vegetais, tornar-se-á planta; se sensuais, bruto; se racionais, subirá ao nivel de animal celeste; se intelectuias, seja anjo e filho de Deus. E se, não satisfeito com o destino das criaturas, recolher-se ao centro da sua unidade, tornando-se espirito uno com Deus, na solitária escuridão do Pai, sobrelevará todos os seres. Quem não admirará esse nosso camaleão?

      Data/hora atual: Sex 22 Set - 14:05