Preparado para opinar sobre qualquer assunto teológico ou bíblico? Independente da visão! Cadastre-se , pois aqui nínguem será excluído!

Já está a venda o livro Manual de Exegese do Antigo Testamento, uma crítica em Ezequiel 28. Adquira já! mande um email para prof.fabiosabino@yahoo.com.br
Mande uma email para prof.fabiosabino@yahoo.com.br e adquira já!

Galeria


Navegação

Votação

Estatísticas

Os nossos membros postaram um total de 132 mensagens em 60 assuntos

Temos 116 usuários registrados

O último usuário registrado atende pelo nome de Adelson

Conectar-se

Esqueci minha senha


    Relação dos livros apócrifos e pseudepigrafos

    Compartilhe
    avatar
    Professor
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 51
    Pontos : 140
    Reputação : 10
    Data de inscrição : 31/03/2011
    Idade : 40
    Localização : São Paulo

    Relação dos livros apócrifos e pseudepigrafos

    Mensagem  Professor em Sex 1 Abr - 1:57

    Relação dos livros apócrifos e pseudepigrafos


    1. A palavra Apócrifo significa oculto, e com toda probabilidade foi o termo primitivamente empregado por certas seitas a respeito de livros seus, que eram guardados para seu próprio uso. O termo apócrifo é, agora, restritivo aos livros não canônicos. Posteriormente, a palavra opócrifo era aplicada aos livros espúrios.

    2. Os livros apócrifos do A.T. Estes não faziam parte do Cânon hebraico, mas todos eram mais ou menos aceitos pelos judeus de Alexandria que liam o grego, e pelos de outros lugares; e alguns são citados no Talmude. Esses livros, a exceção de 2 Esdras, Eclesiástico, Judite, Tobias, e 1 dos Macabeus, foram primeiramente escritos em grego, mas o seu conteúdo varia em diferentes coleções.

    Eis os livros apócrifos pela sua ordem usual:

    I (ou III) de Esdras: Trata dos fatos históricos desde o tempo de Josias até Esdras. sendo a maior parte da matéria tirada dos livros das Crônicas, de Esdras, e de Neemias. Foi escrito talvez no 1º século a.C.

    II (ou IV) de Esdras: Uma série de visões e profecias, especialmente apocalípticas, que Esdras anunciou. É dos fins do 1º século d.C.

    Tobias: Uma narrativa lendária, interessante elo conhecimento dos costumes dos antigos tempos de Aicar. Cerca do principio do 2º século a.C.

    Judite: Uma história a respeito de serem libertados os judeus do poder de Holofernes, general persa, pela coragem da heroína Judite. Foi escrito cerca de meados do segundo século a.C.

    Ester: Capítulos adicionados à obra canônica. É, talvez, do segundo século a.C.

    Sabedoria de Salomão: Livro escrito um pouco no estilo do livro dos Provérbios, sendo precioso por estabelecer o contraste entre a verdadeira sabedoria e o paganismo. A data do seu aparecimento deve ser entre o ano 50 a.C. e 10 d.C.

    Eclesiástico, ou Sabedoria de Jesus, filho de Siraque: É uma coleção de ditos prudentes e judiciosos em forma muito semelhante ao livro dos Provérbios. Foi escrito primitivamente em hebraico, cerca do ano 180 a 175 a.C., e traduzido em grego depois de 132 a.C. A maior parte do original hebraico foi descoberta nos anos 1896 a 1900.

    Baruque: Uma pretensa profecia feita por Baruque na Babilônia, com uma epístola ao mesmo Baruque por

    Jeremias. Provavelmente é um escrito do segundo século a.C.

    Adição à História de Daniel, isto é: a) o Cântico dos três jovens (Benedicite, com uma introdução); b) a

    História de Susana, representando Daniel como justo juiz; c) Bel e o Dragão, em que Daniel mostra a loucura do paganismo. Há pouca base para determinar a data destas adições.

    Oração de Manassés, rei de Judá, no seu cativeiro da Babilônia. A data é desconhecida.

    Primeiro Livro dos Macabeus, narrando os fatos da revolta macabeana que se deu do ano 167 em diante (a.C.) foi escrito cerca do ano 80 a.C.

    Segundo Livro dos Macabeus, assunto semelhante, porém mais legendário, e homilético. Foi escrito um pouco depois do primeiro.

    Terceiro Livro dos Macabeus, é, segundo parece, uma história fictícia do ano 217 a.C., tratando das relações do rei egípcio, Ptolomeu IV, com os judeus da Palestina e Alexandria. Data incerta, mas antes de 70 d.C.

    Quarto Livro dos Macabeus, que é um ensaio homilético, feito por um judeu de Alexandria, conhecedor da escola estóica, sobre a matéria contida no 2º livro dos Maca-beus.

    É, talvez, do 1º século d.C. Ainda que os livros apócrifos estejam compreendidos na versão dos Setenta, nenhuma citação certa se faz deles no Novo Testamento. É verdade que os Pais muitas vezes os citaram isoladamente, como se fossem Escritura Sagrada, mas, na argumentação, eles distinguiam os apócrifos dos livros canônicos. S. Jerônimo, em particular, no fim do 4º século, fez entre estes livros uma claríssima distinção.

    Para defender-se de ter limitado a sua tradução latina aos livros do Cânon hebraico, ele disse: “Qualquer livro além destes deve ser contado entre os apócrifos. Sto. Agostinho, porém (354-430 à.C.), que não sabia hebraico, juntava os apócrifos com os canônicos como para os diferençar dos livros heréticos. Infelizmente, prevaleceram as idéias deste escritor, e ficaram os livros apócrifos na edição oficial (a Vulgata) da Igreja de Roma.

    O Concilio de Trento, 1546, aceitou “todos os livros... com igual sentimento e reverência”, e anatematizou os que não os consideravam de igual modo. A Igreja Anglicana, pelo tempo da Reforma, nos seus trinta e nove artigos (1563 e 1571), seguiu precisamente a maneira de ver de S. Jerônimo, não julgando os apócrifos como livros das Santas Escrituras, mas aconselhando a sua leitura “para exemplo de vida e instrução de costumes”.

    3. Livros Pseudo-epígrafos. Nenhum artigo sobre os livros apócrifos pode omitir estes inteiramente, porque de ano para ano está sendo mais compreendida a sua importância. Chamam-se Pseudo-epígrafos, porque se apresentam como escritos pelos santos do Antigo Testamento. Eles são amplamente apocalípticos; e representam esperanças e expectativas que não produziram boa influência no primitivo Cristianismo. Entre eles podem mencionar-se:

    Livro de Enoque (etiópico), que é citado em Judas 14. Atribuem-se várias datas, pelos últi-mos dois séculos antes da era cristã.

    Os Segredos de Enoque (eslavo), livro escrito por um judeu helenista, ortodoxo, na primeira metade do primeiro século d.C.

    O Livro dos Jubileus (dos israelitas), ou o Pequeno Gênesis, tratando de particularidades do Gênesis duma forma imaginária e legendária, escrito por um fariseu entre os anos de 135 e 105 a.C.

    Os Testamentos dos Doze Patriarcas: é este livro um alto modelo de ensino moral. Pensa-se que o original hebraico foi composto nos anos 109 a 107 a.C., e a tradução grega, em que a obra chegou até nós, foi feita antes de 50 d.C.

    Os Oráculos Sibilinos, Livros III-V, descrições poéticas das condições passadas e futuras dos judeus; a parte mais antiga é colocada cerca do ano 140 a.C., sendo a porção mais moderna do ano 80 da nossa era, pouco mais ou menos.

    Os Salmos de Salomão, entre 70 e 40 a.C.

    As Odes de Salomão, cerca do ano 100 da nossa era, são, provavelmente, escritos cristãos.

    O Apocalipse Siríaco de Baruque (2º Baruque), 60 a 100 a.C.

    O Apocalipse grego de Baruque (3º Baruque), do 2º século, a.C.

    A Assunção de Moisés, 7 a 30 d.C.

    A Ascensão de Isaias, do primeiro ou do segundo século d.C.


    4. Os Livros Apócrifos do N.T. Sob este nome são algumas vezes reunidos vários escritos cristãos de primitiva data, que pretendem dar novas informações acerca de Jesus Cristo e Seus Apóstolos, ou novas instruções sobre a natureza do Cristianismo em nome dos primeiros cristãos. Entre os Evangelhos Apócrifos podem mencionar-se:

    O Evangelho segundo os Hebreus (há fragmentos do segundo século);

    O Evangelho segundo S. Tiaqo, tratando do nascimento de Maria e de Jesus (segundo século);


    Os Atos de Pilatos.(Segundo século).


    Os Atos de Paulo e Tecla (segundo século).


    Os Atos de Pedro (terceiro século).


    Epístola de Barnabé (fim do primeiro século).


    Apocalipses, o de Pedro (segundo século).


    Ainda que casualmente algum livro não canônico se ache apenso a manuscritos do N.T., esse fato é, contudo, tão raro que podemos dizer que, na realidade, nunca se tratou seriamente de incluir qualquer deles no Cânon.
    [/justify]

      Data/hora atual: Seg 20 Nov - 21:34